Autoconhecimento

Qual é o seu lado B?

Como lidar com as nossas diversas “camadas” que nos tornam tão únicos?

“Lado A e lado B são expressões que estão associadas diretamente aos discos de vinil. Historicamente, o “B-side” dos discos era composto por canções diferenciadas, experimentais e alternativas. Muito artistas, grandes compositores e cantores por exemplo, já declararam que em seus discos de vinil o B-side era o seu lado autêntico, a sua essência e que o A-side de seus discos continha as canções mais comerciais (…)” [Wikipedia]

Normalmente associamos a expressão “Lado B” a coisas que normalmente não são tão óbvias num primeiro contato. Pode ser um interesse, uma sombra, um talento, uma vontade… algo que velamos e revelamos para poucos. Achamos que a segurança e a aceitação reside no “Lado A”, por estar melhor enquadrado no que é esperado ou no que aprendemos ser correto.

Por muito tempo, pensei que ter interesse em diversos assuntos ao mesmo tempo indicava falta de objetividade. Entendia que eu deveria escolher apenas 1 ou 2 interesses no máximo e tornar isso a minha profissão, hobby e objeto de estudo. Não valorizava a minha diversidade e tentava racionalizar tantas outras coisas que faziam parte da minha essência.

Aos poucos fui percebendo que não era um problema ter um “foco multifocal”, e que quanto mais eu pudesse me abrir para conhecimentos diferentes, mais a minha percepção do mundo e vida iria se ampliar. A partir daí comecei a me permitir mergulhar em tudo o que fazia a minha alma vibrar: yoga, meditação, bioenergia, astrologia, expansão da consciência e terapias de cura.

Nutrir o meu lado sutil e intuitivo não iria invalidar a minha carreira corporativa. Mas dar vazão a essa parcela que também é minha só me tornaria mais íntegra e verdadeira. E é justamente essa diversidade que nos torna tão únicos e aptos a sermos inteiros em todas as áreas da vida.

Quando parei de fragmentar, rotular e excluir os meus “lados”, eles se tornaram apenas um.
Na realidade, ele sempre foi um. Minha mente é quem tentava organizar e controlar algo que já era uno por si só.  😉

Ainda assim, resolvi nomear esse espaço de “meu lado b”, não porque de fato seja um lado distinto, mas para me lembrar que ele não é.

Confira também...

Sem comentários

    Deixe um comentário